Dengue: do mosquito à doença

blog beSafe

Mosquito picando a pele uma pessoa

O que é a dengue?


A dengue é uma doença transmitida pela picada de mosquitos e causada por vírus que afeta cerca de 2 milhões e 300 mil pessoas por ano nas Américas e causa em torno de 100 mortes anuais no continente e, por isso, é considerada um grave problema de saúde pública.

Ademais, a presença da doença no mundo vem crescendo drasticamente, estando aproximadamente metade da população mundial em risco de contrair a dengue.

Quais mosquitos podem transmitir a dengue?


A dengue é transmitida por mosquitos do gênero Aedes, sendo os mais comuns o Aedes aegypti – o mais comum no Brasil – e o Aedes albopictus – mais comum na Ásia.

Além disso, é importante apontar que apenas as fêmeas desses mosquitos transmitem a doença, isso porque são elas que necessitam do nosso sangue para produzir os ovos e se reproduzir. Assim, ao picar uma pessoa infectada, a fêmea, em consequência, adquire o vírus o qual passa a fazer parte de sua saliva e se torna transmissível pela picada do mosquito.

Produzidos os ovos, então, a fêmea necessita de água parada para a deposição destes, uma vez que as larvas do mosquito se desenvolvem no meio aquático para em 10 dias, aproximadamente, se tornarem adultos. Sabendo disso, então, evidencia-se que a prevenção da doença envolve o controle do mosquito.

Como controlar a proliferação e a picada dos mosquitos e, consequentemente, prevenir a dengue?


Diante de sua necessidade de água para se reproduzir é notável o aumento de casos durante os meses chuvosas, quando devemos reforçar ainda mais os hábitos de prevenção, os quais envolvem:

  • Não deixar água parada em garrafas, vasos de plantas, pneus e recipientes em que se coloca água para animais;
  • Manter lixeiras tampadas e protegidas da chuva;
  • Manter as piscinas sempre limpas;
  • Limpar as calhas das casas;
  • Retirar água de plantas que podem acumular a chuva, por exemplo, como as bromélias;
  • Descartar adequadamente objetos que acumulam água, como potes, copos ou garrafas;
  • Manter as caixas d’água e cisternas sempre tampadas e
  • Fazer uso de repelentes.

Quais vírus podem causar a dengue?


Essa doença é causada por 4 tipos de vírus da dengue – DENV1, DENV2, DENV3 e DENV4 -, sendo possível, portanto, uma pessoa ser infectada por todos eles. No entanto, uma vez infectada por um tipo do vírus, a pessoa fica imunizada permanentemente contra esse mesmo tipo, podendo ser contaminada apenas pelos outros.

Todas essas 4 formas do vírus da dengue podem levar a quadros sem sintomas, leves ou graves, os quais, em geral, surgem entre 3 a 15 dias após a picada e duram cerca de uma semana.

Quais os tipos de manifestação da dengue e quais os sintomas presentes em cada um deles?


A dengue pode ser dividida entre dengue
clássica ou dengue hemorrágica, sendo a hemorrágica a forma mais grave da doença.

A forma clássica pode se manifestar com:

  • Febre alta – entre 39 e 40 graus Celsius – de início abrupto;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Náusea – vontade de vomitar – e vômitos;
  • Mal-estar;
  • Dor no corpo e nas articulações;
  • Dor de cabeça;
  • Tontura e
  • Cansaço excessivo.

Já a forma hemorrágica possui sintomas mais graves, podendo, inclusive, evoluir para coma e morte mais frequentemente que a forma clássica. Esses sintomas envolvem:

  • Manchas vermelhas pelo corpo;
  • Coceira;
  • Sangramentos pelo nariz e nas gengivas;
  • Dor abdominal intensa e contínua;
  •  Vômitos;
  • Urina de cor rosa, vermelha ou marrom;
  • Sede excessiva;
  • Boca seca;
  • Dificuldade para respirar;
  • Confusão mental;
  • Sonolência e
  • Agitação.

Além disso, complicações ainda mais graves podem ocorrer, como por exemplo;

  • Desidratação grave;
  • Problemas no fígado, como a hepatite ou insuficiência hepática;
  • Problemas no sistema nervoso – paralisia de músculos por dano aos nervos (Síndrome de Guillain-Barré) e inflamação no cérebro e
  • Problemas no coração e nos pulmões – inflamação do músculo cardíaco (miocardite) e derrame pleural (presença de líquido fora dos pulmões no espaço entre o órgão e a membrana que o reveste).

Como é feito o diagnóstico da dengue?


No geral, o diagnóstico da dengue é feito a partir da análise dos sintomas do paciente, levando em consideração um possível surto da doença que esteja ocorrendo na região. 

Além disso, alguns exames podem, também, ser realizados para auxiliar no diagnóstico, como, por exemplo, exames de sangue – com a contagem de plaquetas (partículas do sangue que, se alteradas, podem indicar dengue), a sorologia (detecção de anticorpos contra a dengue) ou o isolamento do próprio vírus no sangue – e a prova do laço, a qual consiste em uma contagem do número das manchas avermelhadas em uma determinada área da pele.

Ademais, o Ministério da Saúde considera alguém suspeito de ter dengue o paciente com febre acompanhada de pelo menos dois dos sintomas da dengue mostrados acima e que tenha estado em uma área de possível transmissão nos últimos 15 dias.

Como é feito o tratamento da dengue?


Uma vez contraída a dengue, o tratamento é realizado a partir do controle dos sintomas, ou seja, indica-se remédios para febre e para a dor, por exemplo, além dos cruciais repouso e hidratação – com água de coco ou soro caseiro. Normalmente, os quadros se curam espontaneamente em um prazo de, aproximadamente, 10 dias.

No caso da dengue hemorrágica, no entanto, o tratamento deve ser feito no hospital e pode envolver o uso de medicamentos e a administração de plaquetas – partículas do sangue as quais podem ser afetadas pelo vírus.

Por isso, é indicado procurar um médico se apresentar os sintomas para uma melhor orientação.

Em última análise, reitera-se que o tratamento mais eficaz contra a dengue é a prevenção.

Como identificar e tratar a dengue em bebês e crianças?


Em crianças e bebês pode ser mais difícil identificar a dengue, uma vez que ela pode se confundir com um resfriado comum a partir dos sintomas:

  • Febre alta – 39 ou 40 graus Celsius;
  • Prostração (desânimo) ou irritabilidade;
  • Falta de apetite;
  • Diarreia e 
  • Vômito.

Por isso, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e orientação, sendo o tratamento, na maioria dos casos, feito em casa, por meio da hidratação já exemplificada anteriormente, com soro caseiro ou água de coco.

O cenário de dengue e risco para as escolas


Segundo o site da
CNN, no Brasil houve um aumento de 43,9% de casos de dengue no início de 2022. Diante deste cenário é possível perceber que não se pode ignorar essa doença. Uma das maneiras efetivas de lutar contra a dengue é a conscientização, tendo como ponto de partida nas escolas.

A instituição de ensino tem a responsabilidade de conscientizar o aluno a respeito da doença e ter o monitoramento de seus estudantes em caso de surto. Sendo assim, irá  tentar controlar a situação da melhor forma possível. 

A beSafe desenvolveu uma plataforma de gestão de saúde que possibilita que diretores e responsáveis tenham acesso a informações de saúde de seus alunos, incluindo qual medicação um determinado estudante toma, suas alergias e também o controle e noção de epidemias no ambiente escolar. Dessa forma, ao ter noção dos dados da situação, será possível trabalhar para construir o melhor ambiente possível em paralelo a supervisão dos alunos. 

bESAFE Saúde © 2021
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

beSafe HeaLth&Edutech Educação, Saúde e Segurança por Tecnologia LTDA
 
CNPJ: 40.759.278/0001-61

bESAFE saúde © 2021 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

beSafe Health&Edutech Educação, Saúde e Segurança por Tecnologia LTDA
 
CNPJ: 40.759.278/0001-61